la petite princesse

A dona do pedaço. INTJ. Viajadeira. Uspturista Mais velha do que aparento.

le passe



pour quoi

Quero deixar registrado aqui algumas das experiências mais incríveis que eu já vivi.

Como fazer parte de um voluntariado no camp hill

Monday, May 3, 2021 at 10:30:00 AM

0 comments

Eu falei anteriormente que eu descobri esse voluntariado através do Henrique, que ficou sabendo através de outro amigo. E também falei que tem camp hill no mundo todo. Nesse post, eu vou contar como foi a nossa experiência com o camp hill na Inglaterra.

Acho bom já falar que eu só tenho o passaporte brasileiro, mas o Henrique tem o passaporte europeu. Para a inscrição e seleção, isso não fez nenhuma diferença.

Fomos instruídos a entrar em contato diretamente com o camp hill. Como o Henrique já tinha conhecidos por lá, ele tinha o contato direto das pessoas responsáveis, mas no site deles tem toda a informação e inclusive os formulários para preencher. Além disso, depois de marcar a entrevista por video chamada, é preciso enviar cartas de recomendação. Não precisa ser só de empregadores, pode ser de amigos também. E os amigos nem precisam saber inglês fluente, você pode dar uma ajudinha na hora de redigir. Basicamente eles precisam de referências, já que esse camp hill é de crianças e jovens. Na Inglaterra eles levam a segurança e a privacidade dessas pessoas muito a sério!

Para esse camp hill, é necessário saber falar um pouco de inglês. Mas não precisa ser super fluente, é literalmente um pouco. Tem que estar disposto a prender, e prestar muita atenção. Na minha turma, uns 3/4 das pessoas eram jovens alemães, que falam inglês muito bem. Mas tirando eles, só eu falava inglês fluentemente. Mas isso não atrapalhou em nada na performance dos demais. O que a gente não entende falado, a gente acaba entendendo pelas ações.

A entrevista é bem tranquila. Eles querem pessoas dedicadas e comprometidas, e não só gente que fala bem inglês ou tenha uma vasta experiência na área.

Um voluntariado necessariamente implica em não ter uma compensação financeira pelo seu trabalho. Em troca, eles oferecem moradia, alimentação e uma ajuda de custo semanal (na minha época era de 40 libras semanais). O custo com as passagens de avião e o visto são por conta do voluntário. A carga horária é de 40 horas semanais durante o dia e mais 1 noite em que o voluntário dorme na casa dos alunos onde ele trabalha, de plantão (os voluntários moram geralmente em outras casas para não misturar o que é trabalho do que é descanso). E todas as despesas quando tem algum passeio com os alunos também são por conta do camp hill (idas a restaurantes, parques, cinema, etc). E na Inglaterra, por que eles tem um sistema de saúde público (o NHS, que é o modelo adotado pelo nosso SUS), você não precisa se preocupar com isso (na verdade, na solicitação do visto você paga 200 libras que é referente a esse acesso ao NHS).

A solicitação e a aprovação do visto foram bem tranquilas. Tem que criar um perfil no site da imigração, preencher uns formulários (o camp hill envia instruções e toda a documentação necessária), pagar as taxas e marcar um dia para levar o documento no centro de vistos e fazer a biometria. A embaixada responsável por analisar os casos fica na Colômbia, e leva algumas semanas para receber o passaporte de volta.

Nos resta sonhar enquanto passamos por todo o processo. Demorou algumas semanas para receber a aprovação da entrevista, e depois as coisas andaram tão rápido quanto eu consegui as cartas de recomendação e horário para a biometria. Quem diria que eu procurei me esconder no meio do mato na Inglaterra?



Labels: , , , ,

that would be me. bye!

O que é camp hill e qual é a desse voluntariado?

Monday, April 26, 2021 at 10:30:00 AM

0 comments

Camp hill é uma filosofia de vida. São comunidades pelo mundo que acolhem pessoas com deficiências cognitivas e outras necessidades especiais. Se você já ouviu falar em método Waldorf de ensino, já teve algum contato com a filosofia do camp hill.

O camp hill é organizado de modo que as pessoas ali dentro tenham uma experiência de vida completa, e não somente de "escola". Eles chamam isso de currículo integral (24h). Desde o amanhecer até a hora de dormir, tudo é organizado de modo que seja um constante aprendizado e reforço.

As comunidades são como "vilas", com várias casas e outras construções voltadas ao ensino e ao lazer. Tem sala de aula, quadras de esporte, muita área verde, horta, espaços de recreação e até uma capela.

O dia a dia é estruturado, com horário para acordar, fazer tarefas, ir para a escola (no caso dos alunos mais novos), almoçar, ajudar nos afazeres da casa, na preparação de refeições, na compra do supermercado, mas também tem hora do lazer e passeios de fim de semana.

No camp hill eles acreditam na antroposofia, de que não há uma distinção do secular e do espiritual, e que se traduz na comunidade como uma crença de que todos temos um núcleo capaz de um potencial integral, que todos são aptos a atingirem o máximo, e que o corpo que habitamos é só um obstáculo no desafio de atingirmos o nosso melhor. Mesmo que você não acredite em nada de espiritual, é muito incrível pensar que a única coisa que difere as nossas habilidades, é algo que não escolhemos, mas que nos foi dado, o nosso corpo. No fim das contas, o camp hill acredita que todos somos capazes, mas que cada um tem um caminho diferente na vida para atingir o seu potencial. Isso se reflete no trabalho e na mentalidade do dia a dia, que eu espero conseguir transmitir ao contar mais sobre isso aqui.

O Henrique, meu amigo do trabalho, ficou sabendo desse camp hill em específico através de um colega da cidade dele, que já havia ido para lá há alguns anos e se estabelecido. Era pelo menos uma segurança que tínhamos de que o programa era legítimo. E para mim, era uma pequena rede de segurança. Eu amo viajar a turismo sozinha, mas eu aprendi que se você quer ter sucesso em uma mudança, é importante ter com quem contar ao longo da jornada.



Labels: ,

that would be me. bye!

Meant to be

Monday, April 19, 2021 at 11:30:00 AM

0 comments

Eu passei o colegial inteiro certa de que eu queria estudar Turismo na faculdade. Achava que era isso que eu queria fazer para o resto da vida. Mesmo sem saber a profundidade da profissão.

Entrar na USP foi um sonho. Não era só sobre estudar an melhor universidade do país, mas sobre morar fora, num lugar que eu sempre sonhei, com vários amigos da escola ao redor. Mas ninguém nunca fala como é o curso antes de você entrar na faculdade. Não é só sobre as matérias, mas a organização. Ou nesse caso, a desorganização. E com o tempo eu fui broxando com o curso. Já me formei achando que eu podia ter estudado outra coisa. Mas vida que segue, e eu entrei no mercado de trabalho assim que entreguei meu TCC (até então só tinha feito estágio).

E assim foram os anos seguintes da minha formatura. Um trabalho é um trabalho, mas depois de um tempo, um trabalho que não te motiva, que não te alimenta, vira um grande empecilho na sua vida. Já entrei naquela quarta empresa cansada. E não ajudava nada o fato de ter uma gerente vingativa que simplesmente não ia com a minha cara (logo que entrei muita gente veio me perguntar se eu já conhecia a tal gerente de antes, de tão mal A TOA que ela me tratava). Terminei o ano com o plano de tirar férias, pedir demissão e passar um tempo refletindo sobre o sentido da via. Mas ai veio a crise institucional de 2015 e eu ganhei a rescisão.

Mas nem de tragédias foi esse período lá. Enquanto minha chefe me odiava gratuitamente, eu fiz alguns muitos bons amigos. E após uns meses, numa mesa de bar, um deles me falou que ia mudar para a Inglaterra, num esquema de voluntariado. E eu perguntei se eu podia ir junto.

Foi assim que eu descobri sobre o camp hill e decidi o que fazer do meu sabático prematuro.


No fim, sorte tive eu. Enquanto estávamos na Inglaterra, a empresa faliu.


Se eu passava frio? O ar condicionado batia na minha cabeça o dia inteiro. Esse monte de casaco e agasalho era no auge do verão.

Labels:

that would be me. bye!

Por que esse blog?

Friday, April 16, 2021 at 10:30:00 AM

0 comments

Em 2015 eu resolvi tirar um ano sabático. Porque eu já estava cansada da vida dentro de um escritório, sem fazer de verdade alguma diferença no mundo. E então surgiu a oportunidade de passar 1 ano fazendo um voluntariado que mudaria a minha visão de mundo, de muitas coisas. E para registrar essa experiência, comecei esse blog. Porque eu também sou velha guarda, e eu prefiro escrever (além de não ser "videogênica"!).

Vou resgatar os posts, editar algumas coisas, organizar melhor, além de incluir outras histórias. Esse é o meu diário público na internet.

that would be me. bye!

A new day, a new dawn

at 1:18:00 AM

0 comments

Resolvi recomeçar do zero, editar o que já postei no passado, organizar os post, contar mais coisas. Porque a quarentena serve pra isso mesmo, né, arranjar o que fazer... Como se a gente já não tivesse preocupações suficientes na vida!

that would be me. bye!

Teste

Thursday, April 15, 2021 at 6:24:00 PM

0 comments

 Teste

that would be me. bye!